Livros · Resenha

RESENHA: Sherlock Holmes – O Vale do Medo

Olá, pessoas!

Mais uma resenha na área!

11272153_898902040153286_473142789_n

Depois de alguns meses penando, eu consegui terminar esse livro! Se vocês acompanham o blog pelo o Instagram, já viram que eu estou lendo esse livro há um tempo e que eu já reclamei da minha falta de motivação para terminar a leitura.

Mas não se enganem! Eu gostei do livro! Aliás, eu amo Sherlock Holmes! (x x x x x) O problema foi mesmo o momento pelo qual eu passei, aquele momento chato que todo leitor passa, aquele momento que parece que nenhuma leitura é interessante o suficiente. Porém, felizmente, eu superei esse momento e consegui terminar esse ótimo mistério que é O Vale do Medo.

O Vale do Medo é o quarto e último romance sobre Sherlock Holmes e seu companheiro inseparável, Doutor John Watson. Depois da publicação deste livro em 1915, ainda seria publicado a última coletânea de contos sobre Holmes com o nome de “Os Arquivos de Sherlock Holmes”, sendo assim, a última publicação feita por Arthur Conan Doyle sobre o detetive.

A história começa quando Holmes e Watson recebem uma mensagem em código de um homem misterioso chamado Porlock. Logo, Holmes explica que Porlock nada mais é do que um informante de Holmes que trabalha com Moriarty, seu maior arqui-inimigo.

11334334_898900813486742_77603958_n

Porém, o que o código dizia era a parte mais surpreendente. Ele dizia que um homem chamado John Douglas estava em perigo de vida e que o pior poderia acontecer mais cedo do que esperavam.

Entretanto, o pior aconteceu antes que Holmes pudesse fazer algo a respeito, afinal, logo após desvendar o código, um detetive da Scotland Yard vai até Baker Street informar que um assassinato muito peculiar havia acontecido com o tal de John Douglas.

Ainda sentindo que pudessem ajudar e fazer algo a respeito àquele caso, Holmes e Watson partem para o interior da Inglaterra com o intuito de desvendar o que havia acontecido com John Douglas e por que um homem aparentemente tão respeitado e querido foi assassinado com tanta brutalidade.

11280186_898900826820074_1586991806_n

O livro todo é um majestoso mistério, assim como a maioria dos casos de Holmes. O diferencial deste romance vem na segunda parte, chamada “Os Scowrers”. Seguindo o exemplo do primeiro romance escrito sobre o detetive, “Um Estudo em Vermelho”, a segunda parte conta a história anterior ao caso, servindo como um prólogo do assassinato afim de explicar com maior detalhes o que aconteceu.

Enquanto a primeira parte é narrada por Watson, a segunda é narrada por um narrador onisciente, sem nome e nem identidade, apenas sendo útil para contar a história de um seita secreta e os crimes cometidos por ela.

Ambas as partes são envolventes e interessantes, mesmo que eu tenha sentido um pouco a falta de Holmes e Watson nessa história – já que eles não aparecem tanto quanto costumam aparecer -, as reviravoltas e as conclusões tiradas do caso são impressionantes e como sempre, surpreendentes.

O Vale do Medo
Autor:
Arthur Conan Doyle
Editoras: Zahar / Martin Claret
Ano: 1915
Páginas: 247 (Edição da Zahar)

Por: Gabriela Bastos

Anúncios

Um comentário em “RESENHA: Sherlock Holmes – O Vale do Medo

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s