Livros · Resenha

Resenha: Os Instrumentos Mortais – Cidade dos Ossos

Oi gente! Peço desculpas pelo sumiço da semana passada, mas foi muito turbulenta e realmente não tivemos tempo de postar muito no blog. Antes de iniciar a resenha do meu novo favorito, queria dizer que o desafio HP ainda tá valendo e já estou indo para o último! Só dei uma pausa para ler Cidade dos Ossos e A dama da ilha (em breve resenha), porque se eu não lesse nenhum outro, as resenhas basicamente acabariam por um tempo, afinal todo mundo já conhece a história do Harry e ou já leu ou já viu o filme né?

Enfim, agora que eu já me expliquei…

Cidade-dos-Ossos

Welcome to the City of Bones. (Bem-vindos à Cidade dos Ossos)

O livro faz parte da série Os Instrumentos Mortais, da Cassandra Clare e possui todas as criaturas sobrenaturais que conhecemos. Há anjos, demônios, lobisomens, vampiros e muitos outros.

O cenário é a cidade de Nova York, onde uma garota chamada Clarissa Fray vive com sua mãe, Jocelyn Fray. Ela tem uma vida comum, mas com a sensação de que algo está faltando. Tem também o melhor amigo, Simon e sua figura paterna ”Luke”, já que o pai morrera na guerra.

Tudo parece extremamente normal na história, dois adolescentes, melhores amigos decidem ir à uma balada gótica para curtir um som. A balada não é novidade, pois é um lugar em que eles costumam ir sempre, mas naquela noite em especial, tudo muda. Clary presencia um assassinato. Três jovens, dois meninos e uma garota, matam um menino de cabelos azuis. Clary grita, mas a questão é: Ninguém os vê, apenas ela.

O pontapé inicial da história é esse. Ela fica um tanto quanto intrigada por ter visto aquilo e ninguém mais ver, os jovens disseram que o menino morto era um demônio, pois quando ele morreu, nada sobrara. Nem sangue, nem corpo.

A tensão começa e envolve Clary nesta deliciosa aventura. Ela volta a encontrar um dos garotos, Jace, O assassino do demônio. Cheia de perguntas, ela o questiona sobre o porquê ela pode vê-los e ninguém mais pode. Jace também está intrigado com aquela que ele chama de mundana. Alguém do mundo humano, comum. Ele diz que a levara para o Instituto, um llugar onde os Caçadores de Sombras, assim como ele, moram e protegem uns aos outros, além de serem aqueles que mantém o equilíbrio com o mundo de baixo. Nesse encontro também, Clary recebe uma ligação de sua mãe, pedindo que ela não volte para casa. A ligação é feita de um modo desesperador e como toda filha preocupada, ela corre diretamente para a mãe.

Na casa, Clary não encontra a mãe, mas tudo revirado, indicando que uma briga acontecera. Lá, ela encontra o segundo demônio que tem a óbvia intenção de comê-la, além de dizer um nome marcante: Valentim.

Ser atacada por um demônio e salva por um Caçador de Sombras é com certeza o que nenhuma garota de quinze anos espera, mas é o que acontece com ela. Quando chega ao Instituto, ela recebe a cura através de uma marca na pele, a que eles dão o nome de runa. Também é questionada sobre seus conhecimentos ausentes sobre todo o mundo sobrenatural que a cerca.

A garota embarca em uma constante busca por sua mãe desaparecida, por suas memórias perdidas. Conhece outros bruxos, como Magnus Bane, o responsável por sua memória ausente. Recebe ajuda dos irmãos do Silêncio, que são como oráculos para a Clave, uma espécie de organização formada por Caçadores de Sombras, que mantém o controle sobre todas as criaturas e o modo de vida delas.

Há romance, há luta. Simon, o melhor amigo nerd é transformado em rato e sequestrado por vampiros. Todos os acontecimentos formam uma eletrizante ação na vida de Clary. Jace Wayland mostra-se um galã romântico e ela, uma mundana corajosa.

Tudo está apenas na calmaria, antes que um nome apareça na história. Valentim. Esposo de Jocelyn, obviamente pai de Clary, como assim todos os fatos nos comprovam. Esse homem foi o criador do Ciclo, um grupo de jovens que combateria o comando da Clave, mas fora dado como morto, até agora. Ele volta com grande estilo, causando uma tremenda confusão no romance de Clary e Jace, ele se declara pai de Jace, alegando que não foram só as memórias de Clarissa, modificadas. Há também um dos instrumentos mortais, o cálice. Um objeto que tem o poder de transformar humanos em caçadores de sombras. Valentim o deseja, a Clave, também. Uma luta incessante começa.

Um suposto incesto. A captura de um dos instrumentos mais poderosos existentes. Um vilão muito cruel. A volta de uma mãe que ainda se encontra em coma. Um amigo que era um provável humano, mas acaba por ser mais do que isso. Tudo na trama aponta para ação, mistério e muito romance.

Cassandra Clare não deixa a desejar nenhum segundo. Cidade dos Ossos é começo para um mundo inteiro de aventura. Espero que leiam e amem a saga tanto quanto eu.

Comentário pessoal: O livro é grandinho, mas eu li em três dias… trabalhando e indo para a faculdade. A leitura simplesmente flui e o enredo é impressionante. As personagens têm um humor delicioso, são fortes e decididas. É um dos meus favoritos. Não vejo a hora de ter Cidade das Cinzas em mãos!

Título Original: The mortal instruments – City of bones

Autora: Cassandra Clare

Editora: Galera Record

Ano: 2007

Páginas: 459

Por: Isabela Sobo

Anúncios

Um comentário em “Resenha: Os Instrumentos Mortais – Cidade dos Ossos

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s