Livros · Resenha

RESENHA: A princesa do Baile da meia-noite

RESENHA: A princesa do Baile da meia-noite

Oi gente! Tudo bem?

Desculpem-nos mais uma vez pela confusão desta última semana, a falta de posts e os posts em dias diferentes. Aqui estava uma loucura, eu na autoescola e a Yasmim ocupada com provas da faculdade, complicou tudo.
Hoje eu estava gravando um vídeo que eu espero conseguir postar logo, mas como a bateria resolveu acabar na hora, vou ter que refazer.
Enfim, chega de falar da falta de tempo, certo? Afinal o blog não é para esse fim, mas sim para entreter-los.
A resenha de hoje é do livro A princesa do Baile da meia-noite que foi o último livro que eu li e simplesmente adorei! É uma história muito tranquila de ler, com apenas 198 páginas, escrita pela fofa Jessica Day George.
O livro conta a história de 12 princesas que sofrem de um maldição graças à um acordo feito pela mãe delas, a rainha Maude. Mas vamos ao começo, onde o jovem Galen Werner, um ex-soldado do exército da guerra de Westfalin caminha até seu objetivo, mas no meio de sua jornada conhece uma senhora que lhe dá dois presentes, o primeiro uma capa de invisibilidade e o segundo novelos de lã, ela diz que ele é um bom rapaz e deve rumar ao palácio, onde precisam de sua ajuda. Confuso, Galen segue sua viagem e chega à casa de seus tios, que são jardineiros reais.

O burburinho que ele escuta na cidade é sobre as sapatilhas novas desgastadas das princesas, que geram grande escândalo após estarem surradas mesmo depois que as ganharam.
Galen começa a trabalhar no jardim real com seu tio Reiner Orm e lá tem um encontro desastroso com a princesa mais velha, Rosa. No momento em que se cruzam a jovem dama cai dentro de uma fonte, ficando resfriada e passando sua doença para todas as onze irmãs.
Em uma das noites em que Galen está no jardim do palácio e as princesas ainda se encontram doentes, estranhas criaturas invadem os jardins, tentando subir as heras que cobrem os muros, para pegar as princesas. Rosa grita que elas já vão e Galen a ajuda, chicoteando as criaturas com um galho.
Tudo está muito estranho no reino, as sapatilhas desgastadas, os monstros noturnos e o segredo que as doze jovens escondem.
O rei Gregor, pai das meninas, resolve então chamar príncipes de outros reinos para descobrirem o segredo das meninas, dando como prêmio ao vencedor, a mão de uma delas em casamento, mas cada um deles que vem, volta sem descobrir nada e por uma triste coincidência, todos os sete morrem.
Galen fica transtornado ao ver Rosa doente, assim como suas irmãs mais novas, tendo que dançar noite após noite sem descanso, então resolve pedir ao rei, sua chance de descobrir o segredo, sem que ganhe nada em troca.
Primeiramente ele só ganha acesso aos jardins, mas assim que não vê nada em várias noites passadas do lado de fora observando, ele resolve pedir ao rei, uma chance de entrar dentro do castelo e observar tudo de perto.
O rei lhe concede três noite, apenas. Então, preparado e com a ajuda de Walter, um jardineiro misterioso que lhe dá ervas de proteção, Galen não cai no encantamento do sono, pois todos os dias as onze horas, todos que estão no palácio caem em sono profundo, não descobrindo assim o segredo das doze princesas.
Galen tem como proteção sua capa e as ervas, então quando o relógio chega as onze da noite, ele finge dormir para seguir as princesas, invisível.
Ele se depara com um mundo subterrâneo, com árvores de prata e areia negra. Botes dourados como ouro levam as princesas até uma ilha, cada bote com um príncipe deste mundo, figuras pálidas e estranhas. Os botes seguem pela água escura até a ilha onde o baile acontece exatamente a meia-noite. Lá, seres esguios do mundo subterrâneo, bebem e dançam.
As princesas chegam, fazem uma mesura e se colocam a dançar com seus respectivos parceiros, Galen fica com ciúmes de Rosa, pois os dois neste meio tempo começam uma relação de amizade e amor. Ela teme pelo rapaz que deseja salvá-la, pois sabe que como todos os outros, ele também morrerá caso tente descobrir o segredo.
Galen fala com a menor das princesas, Amor-perfeito, que acha que ele é um bom espírito que quer salvá-las. A pequena conta a ele tudo sobre como a rainha Maude era estéril e queria ter filhos, então fez um pacto com o terrível feiticeiro o Rei Sob Pedra, que a concede as doze meninas, depois a ingênua rainha faz o pacto para que Westfalin vença a guerra e o Rei Sob Pedra a concede este pedido, o que ela não sabia era como o rei daria estas bençãos a ela. Ela pedira apenas um herdeiro, ele lhe dera doze filhas, cada qual para um de seus filhos. Ela pedira que Westfalin vencesse a guerra, e ele o fez, mas a guerra durara doze anos. O preço pagado pela rainha foram vinte anos dançando para o rei e seus súditos, mas antes que os anos fossem cumpridos, a rainha morrera, deixando esta terrível maldição para suas filhas.

Essa é a linda história, claro que há um final, mas eu não vou contar, pois se eu contar, vocês não vão ler haha. Então fica essa recomendação. O livro é muito bom, nada cansativo e apaixonante.
Galen e Rosa são um casal que prende a atenção do leitor do começo ao fim, mesmo com todas as tristezas de perda, acusação de bruxaria e até mesmo uma interdição.

Por: Isabela Sobo

Anúncios

2 comentários em “RESENHA: A princesa do Baile da meia-noite

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s